As regras do jogo mudaram no varejo, aponta consultoria

As regras do jogo mudaram e as maiores empresas de varejo do mundo estão ameaçadas, segundo o estudo da consultoria Bain & Company. A pesquisa concluiu que as varejistas nos Estados Unidos responsáveis por quase 30% dos lucros e 40% das vendas do setor estão atualmente em risco de serem comprados por competidores ou falirem, a menos que possam lidar com suas deficiências em escala, inovação e compreensão do consumidor orientada por dados. Gigantes, como a americana Amazon e a chinesa Alibaba, podem mudar o cenário, tanto pelo impacto da tecnologia quanto pela capacidade de investimento e de comprar participação de mercado.

*Texto com informações publicada na Exame.

** Foto: Reuters.

Rival da Netflix, serviço da NBCUniversal vai se chamar Peacock

A empresa NBCUniversal, da Comcast, anunciou nesta última terça-feira, 17, que o nome do seu novo serviço de streaming será Peacock (pavão, em tradução do inglês). A plataforma deve ser lançada em 2020, com uma variedade de conteúdos originais, como a série Dr Death, estrelada pelo vencedor do Globo de Ouro Alec Baldwin.

O serviço da NBCUniversal entrará em um mercado competitivo, que já tem nomes como Netflix e Amazon Prime Video. Em breve, serão lançados também o Disney+, da Walt Disney, e o Apple TV+.

*Trechos da matéria publicada no “Estadão”.

**Foto: autoria desconhecida.

Neon compra startup MEI Fácil de olho em microempreendedor

A fintech brasileira Neon anunciou nesta última terça-feira, 17, a aquisição da startup MEI Fácil, especializada em serviços para microempreendedores individuais. Com a negociação, que não teve valor revelado, a empresa liderada por Pedro Conrade dá mais um passo na expansão de suas operações. Nos últimos meses, lançou um serviço de conta para pessoas jurídicas, cartão de crédito em parceria com a Visa e testa ainda uma frente de crédito pessoal.

“Foi uma combinação natural: nós estávamos de olho no mercado de microempreendedores e o pessoal da MEI Fácil estava começando a fazer os serviços financeiros na plataforma deles”, explica Conrade, em entrevista exclusiva ao Estado. Fundada em 2017, em São Paulo, a MEI Fácil “acompanha o microempreendedor em sua jornada”, conta Marcelo Moraes, fundador da empresa. A startup ajuda o usuário a obter um CNPJ, emitir nota fiscal, pagar guias de impostos e tem ainda serviços de educação financeira e emissão de boletos, por exemplo.

Além de herdar a carteira de clientes da MEI Fácil, Conrade aposta em dois públicos de grande potencial: os empreendedores que já se formalizaram, mas não são bem atendidos pelos grandes bancos, e aqueles que ainda estão na informalidade. “É uma tarefa difícil. O MEI foi criado para desburocratizar e ainda assim é complicado. Queremos resolver isso”, diz o fundador da Neon. Hoje, há 8,95 milhões de microempreendedores individuais no País, segundo dados do Governo Federal – mais de 10% deles, diz a empresa, já eram atendidos pela MEI Fácil. “É um público que tem que pegar na mão e estamos aqui para isso”, explica Conrade.

*Trechos da matéria publicada no “Estadão”.

**Foto: JF Diorio / Estadão.