Uber demite centenas de pessoas das áreas de engenharia e produtos

A vida não está fácil para o Uber. O aplicativo de transporte anunciou centenas de demissões nesta terça-feira, 10, nas áreas de engenharia e produtos, de acordo com o site TechCrunch. Ao todo, 435 pessoas foram demitidas, o que representa 8% de cada departamento. É a segunda onda de demissões nos últimos meses: em julho, a empresa demitiu 400 pessoas da sua equipe de marketing em vários escritórios ao redor do mundo.

O Uber disse que as demissões fazem parte de um projeto de “redefinir e melhorar o trabalho do dia a dia”. Em comunicado, a empresa disse: “Hoje, estamos fazendo algumas mudanças para colocar a companhia de volta aos trilhos, o que inclui a redução do tamanho de algumas equipes para garantir que tenhamos uma equipe apropriada de acordo com nossas principais prioridades”. 

Nos últimos meses, a empresa vem registrando grandes prejuízos. No seu balanço do segundo trimestre, o Uber registrou uma perda de US$ 5,2 bilhões e teve receita de US$ 3,2 bilhões, abaixo das expectativas dos analistas. O resultado do segundo trimestre mais do que quintuplicou as perdas de US$ 878 milhões que a companhia registrou no mesmo período do ano passado.

*Trechos da matéria publicada no “Estadão”.

**Foto: AFP.

Poluição por plástico nos oceanos gera perdas de R$ 9,5 trilhões

Estudo publicado recentemente pelo Marine Pollution Bulletin aponta que a poluição plástica dos oceanos custa anualmente cerca de US$ 2,5 trilhões, o equivalente a R$ 9,5 trilhões. A pesquisa estima que 8 milhões de toneladas de resíduos são despejadas irregularmente nos mares de todo o mundo a cada ano.

A poluição dos mares afeta diferentes setores da economia, como as indústrias de turismo, transporte e pesca, além de acelerar e intensificar os efeitos das mudanças climáticas e a trazer prejuízos para a saúde da população mundial.

*Foto: AFP.

Uber perde mais de US$ 5 bi no segundo trimestre

O Uber registrou prejuízo trimestral de US$ 5,2 bilhões e teve receita de US$ 3,2 bilhões, abaixo das expectativas dos analistas. A divulgação do balanço da companhia que controla o aplicativo de transporte, no fim do dia de ontem, acarretou forte queda das ações, após o fechamento do mercado nos EUA. 

“As perdas estão se ampliando, e a competição é acirrada”, disse Haris Anwar, analista de mercados financeiros do site Investing.com. “Isso está minando a confiança dos investidores na empresa e prejudicando o desempenho das ações. O balanço mostra que não há um claro caminho em direção ao crescimento de receitas e à redução dos prejuízos.”

O balanço do segundo trimestre mais do que quintuplicou as perdas de US$ 878 milhões que a companhia registrou no mesmo período do ano passado.

*Trechos da matéria publicada no “Estadão”.

**Foto: Kacper Pempel/REUTERS.